Estágios não-obrigatórios em Nutrição: a busca pela qualidade de ensino aliada às atuais exigências legais e educacionais – relato de caso

Daniela Maria Alves Chaud, Edeli Simioni de Abreu

Resumo


Trata-se de relato da experiência dos estágios não-obrigatórios em Nutrição da Universidade Presbiteriana Mackenzie. Tem como objetivo subsidiar a reflexão sobre as normativas de estágio vigentes dentro de uma proposta para o acompanhamento desses estágios. Por considerar o período de estágios uma das principais etapas da formação do nutricionista e em virtude dos novos paradigmas que cercam os estágios, é apresentada a recente abordagem adotada para o desenvolvimento dos estágios não-obrigatórios em Nutrição. Pode-se concluir que essa experiência está sendo bem sucedida, pois além de atender à legislação, tem demonstrado que o acompanhamento do aluno minimiza problemas de aprendizagem, estreita as relações entre a instituição de ensino e a empresa, e, prepara o futuro profissional.

Palavras-chave


Estágio; Estágio Supervisionado; Qualidade da Educação; Legislação.

Texto completo:

PDF

Referências


BOUCINHAS FILHO, J.C. A nova Lei de Estágio. Jus Navigandi, Teresina, v.12, n.1930, 2008. Disponível em: . Acesso em: 06 jun. 2010.

BRASIL, Lei n° 11.788, de 25 de setembro de 2008. Altera a legislação que regulamenta legislação nacional alusiva ao contrato de estágio para estudantes do ensino regular. Diário Oficial da União. Brasília, DF, 27 set. 2008. Disponível em: < lei 11.788 de 25/09/2008 >. Acesso em: 21 jul. 2010.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Câmara de Educação Superior. Resolução CNE/CES 05/2001: Diretrizes curriculares nacionais para o curso de graduação em Nutrição. Diário Oficial da União. Brasília, DF, 09 nov. 2001. Disponível em: . Acesso em: 18 jun. 2010.

CASCUDO, L.C. História da Alimentação no Brasil. 3. ed. São Paulo: Global, 2004.

CFN – CONSELHO FEDERAL DE NIUTRICIONISTAS. Resolução 380/2005. Diário Oficial da União. Brasília, DF, 10 jan. 2006. Disponível em: . Acesso em: 21 jul. 2010.

COSTA, L.M.; GERMANO, R.M. Estágio curricular supervisionado na graduação de enfermagem: revisando a história. Revista Brasileira de Enfermagem. Brasília, v.60, n.6, p.706-10, nov./dez. 2007.

FEUERWERKER, L.C.M.; LIMA, V.V. Os paradigmas de atenção à saúde e da formação de recursos humanos. In: MINISTÉRIO DA SAÚDE (BR). Política de recursos humanos em saúde. Brasília: 2002. p. 169-78.

KENNEDY, D. M. Student managed learning management systems: Teachers as designers. In:

KOMMERS P., RICHARDS G. Proceedings of world conference on educational multimedia, hypermedia and telecommunications. Montreal: 2005, p. 3172–8.

MPT - MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO, Procuradoria Regional do Trabalho – 2ª Região (SP). Notificação Recomendatória N° 6.100. São Paulo, 22 jun. 2001.

SANTOLINI, R.B. A lei 11.788/08: A nova lei do estágio. Conteúdo Jurídico, Brasília. DF, 2009. Disponível em: . Acesso em: 06 jun. 2010.

SAUPE, R. Ação e reflexão na formação do enfermeiro através dos tempos. In: SAUPE, R. Educação em enfermagem: da realidade construída à possibilidade em construção. Florianópolis: UFSC; 1998. p. 28-73.

SILVA, M.L. Estágio curricular: desafios da relação teoria e prática. In: SILVA, M.L. Estágio curricular: contribuições para o redimensionamento de sua prática. Natal: EDUFRN; 2005. p. 11-9.

TRAJMAN, A.; ASSUNÇÃO, N.; VENTURI, M.; TOBIAS, D.; TOCHI, V.; BRANT, V. A preceptoria na rede básica da Secretaria Municipal de Saúde do Rio de Janeiro: opinião dos profissionais de saúde. Revista Brasileira de Educação Médica. Rio de Janeiro, v.33, n. 1, p. 24-31, 2009.




DOI: http://dx.doi.org/10.3395/reciis.v5i3.562

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




e-ISSN 1981-6278 

Icict - Instituto de Comunicação e Informação Científica e Tecnológica em Saúde

Fundação Oswaldo Cruz | Ministério da Saúde
Av. Brasil, 4365 | Pavilhão Haity Moussatché | Manguinhos | CEP 21040-360
Rio de Janeiro | Brasil